quarta-feira, 20 de maio de 2020

Relisiência

Quero ainda ver a água caindo sob sua pele
Mesmo quando o caminho que ela percorre
For cheio de voltas, rugas, caminhos novos
Quero em cada marca
Ainda ter um beijo suave meu
Quero ser as mãos que te ajudam a reconstruir a pulseira que suas mãos aflitas estouraram
E não mais as mãos que rouba-te os dedos, e quebra-os
Seu sorriso
Céus,
Que não seja tarde para dizer sobre seu sorriso
Que não se tarde para vê-lo mais uma vez.
Que todos os dias eu te respire como se fosse a última vez.
Por que não és minha,
És do mundo
Quero ver o mundo pelos seus olhos
Mesmo quando o tempo apaga-los e roubar deles todo esse vigor
Sorte da noite, que tem sempre um novo dia
Para tentar não ser tão escura.

sexta-feira, 15 de maio de 2020

Tanto a se dizer
E nada dito
Porque a distância é tanta...
Que mesmo que se dentro de ti estou
Não te sinto
Não sinto também minha própria pele
Quando escalda do calor de tua tão clichê fúria
E as palavras de acalento e perdão
Se tornam rotina
Mais um passo
Pra evasta paixão
Paixão gélida
Cristal frágil 
Cristalizado 
A fragilidade em sua mais tenua e longa existência
Em tantos caminhos
Não se tem mais pés para caminhar
E o amor 
É o jugo que resta
E não dizer nada, talvez seja
A maior prova de amor que já conseguimos fazer.

quinta-feira, 7 de novembro de 2019

Em dias como esse
É tão difícil se manter viva 
É tão difícil se manter 
É tão difícil se
É tão difícil
É tão
É
É como se as lágrimas esvaisem e não carregassem consigo o pântano jaz aqui dentro 
Me sufoco de tanto ar que tento respirar
Quem me dera me afogar com esse ar
Mas sufoco
Perco o rumo
E flutuo
Em dias como esse
O beijo mais macio não acalenta minh'alma
O toque mais supremo não supri minhas mágoas
Odeio a mim mesma, quando passo a me odiar tanto
Não, não quero meus remédios
Em dias como esse
Só quero essa chuva
As águas que os céus doam ao meu corpo
E as que meu corpo doa a terra
Num ménage perfeito
De dor, prazer, quase morte e vida.

quinta-feira, 26 de setembro de 2019

Entrou no ônibus fugindo da chuva
O guarda-chuva quebrado não fechava direito
Tropeçou enquanto pegava o dinheiro desajeitadamente no bolso interno do moletom surrado
Passou a catraca
"Ok Maria, tem um banco lá atrás, foca e vai"
Uma curva repentina e ela cambaleia em cima de alguém.
Uma moça de cabelo curto, com cheiro de lavanda
- Me perdoa
- Tudo bem, um dia você vai acabar caindo de verdade (sorriso)
- Céus, eu caio até parada (o rosto rubro)
- Qual seu nome?
- Maria
- Só Maria?
- Não, Luísa
- Maria Luísa?
- Isso
- O nome é tão bonito quanto você
- Ah, nossa (risada tímida esterica)
A moça se levantou
- Pode sentar, eu desço aqui
- E o seu?
- Se você não cair na próxima vez que nos vermos, eu te falo.
Deu um meio sorriso e desceu.

quinta-feira, 5 de setembro de 2019

A música alta no fone
Não era alta o suficiente para abafar as vozes ali dentro
A chuva lá fora
Não era fria o suficiente para vencer o frio que sentia ali dentro
Como as pessoas conseguem falar tanto?
É tanta saliva sem onde repousar
O choro pertinente, vinha
Só que não fluía
Quase cantava
Mas estava muda
Pobre menina das fitas
Ainda estava viva...

segunda-feira, 26 de agosto de 2019

Eu já quis morrer tantas vezes
Que nem eu acredito ser capaz mais de conseguir
Queria tentar e conseguir
Queria tanto ter o controle sobre essas coisas
Queria...

Sem chão
Sem ar
Eu não quero mais sentir essa dor
Quero um lugar seguro pra gente
Quero a gente
Sei que estamos tentando muito além do que somos capazes
Não quero nos perder
Não quero ...
Não posso ...

E se a singelez da margarida for melhor que a sedução da rosa? (Frase Rodrigo; Desenho Maria Luiza

E se a singelez da margarida for melhor que a sedução da rosa? (Frase Rodrigo; Desenho Maria Luiza
Clique na imagem e conheça meu diário de sonhos